O corpo fala o que a mente cala


Você acredita que algo invisível pode moldar o formato de algo que é visível?

O invisível (mente) impactando e mudando o visível (corpo) e o visível impactando e mudando o invisível. Isso tudo reflete no formato e características pessoais, no formato do nosso corpo. Foi atráves dessa constatação que consegui mudar o formato do meu queixo, sem cirurgias, apenas mudando o "invisivel" para afetar o visivel. Foi a partir dessa experiencia que resolvi fazer minha transição de carreira, me dedicar a ajudar outras mulheres a se compreenderem melhor e mudar suas vidas, se assim o desejarem. Vinheram os cursos; visagismo, consultoria de imagem, expecialização em coloração pessoal, cromoterapia...enfim, para juntar corpo e alma (mente) me formei em analista corporal pelo O Corpo Explica.


Como sou uma pesquisadora por natureza, gosto de mostrar o fundamento daquilo que prego, não consigo falar sobre aquilo que não vivo ou não acredito. Quando eu era criança meu pai costumava dizer: " Faça o que eu mando mas não faça o que eu faço". Eu nunca concordei com essa maneira de ver as coisas e decidi que quando eu me tornasse mãe eu ensinaria meus filhos através dos meus exemplos ( por isso não assito novelas a mais de 20 anos rsrs).



Todas soluções passam pela compreensão da mente e das emoções. Você também é a sua mente e tudo que se passa nela; as emoções e o que elas provocam. Compreender seu corpo, como ele funciona e traduzir suas linhas vai te ajudar a compreender como você funciona.

queixo, o corpo explica, visagismo, mude já, fisiognomia, psicologia
Queixo: antes e depois

Então vamos ao que interessa, falar sobre como funciona essa técnica e como ela pode nos ajudar. Este método foi criado, com base em estudos profundos do corpo e da mente, pela Dra. Vanessa Geest, doutora em psicologia pela USP, Guilherme Geest, fisioterapeuta formado pelo USP e Elton Euller, o gênio da comunicação. Sua fundamentação vem do início do século 20, no auge da escola de psicanálise de Viena e do pai da psicanálise — Sigmund Freud. Antes de Freud, o olhar da medicina para o corpo era exclusivamente biológico, físico, estrutural, e a grande revolução dele, a essência do seu legado, foi alertar a medicina para existência de uma mente dentro daquele corpo. Freud tinha identificado a raiz da neurose na sexualidade reprimida e a força motora da vida como sendo a libido — afirmando que “nenhuma neurose é possível com uma vida sexual normal”. Seus dois grandes estudantes, Jung e Reich, deveriam levar sua teoria mais longe. Entretanto, enquanto Jung abordaria o caminho da mitologia, simbolismo e do oculto, Reich se aventuraria numa direção completamente diferente: o corpo.


o corpo explica, visagismo, biótipo

Para resumir, Reich abriu um mundo novo para as descobertas da mente: se Freud foi a pessoa que chegou para a medicina e disse “Espera aí! Tem uma mente aí dentro desse corpo.”, Reich foi quem complementou “Não, não tem uma mente dentro do corpo. A mente e o corpo são uma coisa só.”

Com base nos descobrimentos de Reich, Alexander Lowen desenvolveu técnicas de bioenergética, que também servem de inspiração como a terapia sistemica.





Como Funciona o Corpo Explica?

Quando uma pessoa se depara com um obstáculo na vida, o sistema nervoso dela se manifesta com a configuração básica que ele tem, baseada em cinco sensações básicas que foram desenvolvidas pelo sistema nervoso, durante o processo de mielinização da medula espinhal.



São essas as cinco sensações básicas:

  1. Rejeição

  2. Abandono

  3. Manipulação

  4. Humilhação

  5. Traição



A maneira como cada indivíduo percebe uma situação varia de acordo com a configuração básica do seu sistema nervoso e, quando alguém não consegue fazer o que precisa ser feito ou não consegue parar de fazer aquilo que o está prejudicando, é por medo de uma dessas cinco sensações básicas.

O corpo é o reflexo visível da sua mente, e existem cinco tipos de caráteres da mente. Cada pessoa tem dois ou três caráteres dominantes, o que é possível determinar por meio da análise corporal. Vale lembrar que os termos não indicam patologias, são apenas denominações: